Notícias

25/07/2018
Autor:
Catástrofes causam perdas econômicas de US$ 45 bi no semestre

Catástrofes causam perdas econômicas de US$ 45 bi no semestre

 

As perdas econômicas globais causadas por desastres naturais no primeiro semestre de 2018 foram estimadas em US$ 45 bilhões, 64% abaixo da média de US$ 124 bilhões em 10 anos e 48% abaixo da média de US$ 87 bilhões em 18 anos, segundo http://thoughtleadership.aonbenfield.com/Documents/20180724-ab-analytics-if-1h-global-report.pdfdivulgado pela Aon. Já as perdas seguradas foram preliminarmente estimadas em US$ 21 bilhões, 40% menor do que a média de US$ 35 bilhões em 10 anos e 19% menor do que a média de US$ 26 bilhões em 18 anos. Estes totais estão sujeitos a alterações à medida que as perdas se desenvolvem.

Os desastres naturais tiraram pelo menos 2.153 vidas durante o primeiro semestre de 2018, o menor número desde 1986 e significativamente abaixo da média de longo prazo (1980-2017) de 36.570 e uma mediana do mesmo período (7.991). A inundação foi a catástrofe que mais matou nos dois primeiros trimestres de 2018, tendo sido responsável por pelo menos 892 mortes.

De acordo com o relatório da Aon, estima-se que houve 156 eventos de desastres naturais no primeiro semestre de 2018, acima da média de 142 anos de 18 anos. Embora não houvesse uma mega catástrofe que levou a prejuízos econômicos além de US$ 10 bilhões, havia pelo menos 15 eventos separados de bilhões de dólares no primeiro semestre de 2018 – todos relacionados ao clima, exceto um evento de terremoto – liderado pelos EUA (6), EMEA (4), APAC (4) e as Américas (1).

Os primeiros seis meses foram marcados por muitos desastres de menor escala, com a Ásia-Pacífico (APAC) registrando o maior número de desastres nos primeiros seis meses do ano (55). Europa, Oriente Médio e África (EMEA) ficou em segundo lugar com 44 eventos, seguidos dos Estados Unidos (37) e das Américas (20).

Steve Bowen, diretor de previsão de impacto e meteorologista, disse: “Os primeiros seis meses de 2018 incluíram vários desastres de larga escala com pelo menos 15 eventos econômicos bilionários em todo o mundo. No entanto, as perdas resultantes foram gerenciáveis ​​em grande parte. Enquanto as perdas do primeiro tempo foram menores do que a média, é imperativo reiterar que isso não se correlaciona automaticamente com um segundo semestre mais silencioso, como no ano passado. Um evento singular pode mudar completamente a trajetória de um ano. A partir de uma perspectiva de custos financeiros e humanitários, identificar e entender seu nível individual de risco continua sendo um ativo importante para ajudar a mitigar possíveis impactos, considerando a perspectiva de eventos futuros.”

As perdas seguradas resultantes de catástrofes naturais foram geralmente inferiores à média e mediana dos últimos 18 anos. Em nível regional, somente a EMEA e as Américas foram cada vez mais altas que suas respectivas médias e medianas durante esse período, com a EMEA elevada devido a uma ativa temporada de vendaval europeu e as Américas em grande parte devido a tempestades de inverno e eventos climáticos severos no Canadá. Tanto a APAC quanto os Estados Unidos registraram perdas seguradas menores, em grande parte como resultado de uma temporada de clima severo menos ativa nos Estados Unidos e um início mais tranquilo das inundações de monções sazonais em partes da Ásia.