10 medidas para combater crimes cibernéticos durante home office

25, Mai. 2020

10 medidas para combater crimes cibernéticos durante home office

Especialistas da AGCS destacam uma série de precauções que podem ajudar colaboradores a combater melhor os desafios cibernéticos que o Covid-19 traz

Fonte: Bloomberg / Sonho Seguro

O coronavírus está mudando a maneira como as pessoas trabalham e interagem. Muitas empresas estão expandindo sua capacidade de trabalho remoto e isso, em alguns casos, acaba por reduzir os padrões de segurança de TI. Como consequência, cibercriminosos e hackers entram em sistemas corporativos que antes estavam protegidos, causando violações de dados, chantagem cibernética e falhas nos sistemas.

De acordo com o Allianz Risk Barometer, uma pesquisa anual com mais de 2.700 especialistas em gerenciamento de riscos em todo o mundo, o risco cibernético já era classificado como a principal ameaça para as empresas em 2020 antes mesmo do surto de coronavírus. Os ataques de BEC (Business Email Compromise) ou ataques de spoofing, que geralmente envolvem e-mails para enganar os colaboradores que acabam revelando informações confidenciais ou valiosas, resultaram em perdas fraudulentas superiores a US$ 20 bilhões desde 2016.

Estima-se que entre 50% e 90% das violações de dados sejam causadas ou incentivadas pelos próprios funcionários, seja por simples erro ou por serem vítimas de phishing ou engenharia social. Infelizmente, o aumento significativo de pessoas trabalhando em casa por causa da pandemia do novo coronavírus e que acessam a rede corporativa com uma conexão de rede virtual privada (VPN), apenas aumenta esses riscos, oferecendo uma oportunidade perfeita para os criminosos cibernéticos, como eventos recentes demonstram muito bem.

Em alguns países, dados mostram que o número de tentativas de ataques cibernéticos aumentou cinco vezes entre meados de fevereiro e meados de março. Em abril, o Google detectou e bloqueou mais de 18 milhões de e-mails de malware e phishing e 240 milhões de mensagens de spam diárias relacionadas à pandemia em uma única semana. No total, a gigante da tecnologia bloqueia mais de 100 milhões de e-mails de phishing por dia.

No boletim de risco: Coronavírus: Mantendo a Cyber Segurança Durante a Pandemia, especialistas da Allianz Global Corporate & Specialty (AGCS) apresentam dicas e medidas para combater ataques via internet que se aplicam a todos os dispositivos, incluindo os fornecidos pelas empresas para os colaboradores usarem.

Confira:

1) Manter softwares e navegadores web atualizados;

2) Ativar a proteção contra vírus e firewalls;

3) Ser cada vez mais cauteloso sobre o compartilhamento de dados pessoais;

4) Manter as senhas seguras e alterá-las regularmente. A regra geral: quanto mais longa, melhor;

5) Proteger emails confidenciais com criptografia e ter cuidado com anexos suspeitos, especialmente se o remetente for desconhecido;

6) Fazer backups regulares;

7) Desligar dispositivos inteligentes ativados por voz e cobrir webcams quando não estiverem em uso;

8) Identificar todos os participantes em reuniões online;

9) Fazer logout quando os dispositivos não estiverem mais em uso e mantê-los seguros;

10) Seguir as práticas de segurança para imprimir e manusear documentos confidenciais.

DESEMPENHO DO AGRONEGÓCIO NA PANDEMIA SUSTENTA EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

Em pouco mais de três meses da crise global provocada pelo novo coronavírus, o agronegócio é o setor que apresenta os melhores resultados no Brasil, sustentando boa parte das vendas de mercadorias para outros países.

De fevereiro a abril, as exportações de produtos em geral somaram US$ 52,822 bilhões, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia. Somente as vendas de soja e derivados e de carnes, dois dos principais itens da pauta brasileira, somaram US$ 16,438 bilhões no período, cerca de um terço do total.

Com empurrão da crise, ativos de grandes bancos chegam a R$ 7,363 bi e superam PIB

As vendas de soja e derivados e de carnes no intervalo de fevereiro, quando os efeitos da covid-19 sobre o comércio global se intensificaram, a abril mostram um aumento de 24% em relação ao mesmo período do ano passado. Em comparação, as exportações em geral de fevereiro a abril subiram apenas 0,7%.

Para o economista Simão Davi Silber, doutor em Economia Internacional e professor da Universidade de São Paulo (USP), o desempenho positivo do agronegócio, mesmo neste momento de crise global, tem uma explicação simples. A primeira necessidade é comer. E, para proteicos, o Brasil é fundamental, afirma.

Soja
Vendas de soja e de carnes responderam por um terço das exportações brasileiras de fevereiro a abril.
Mesmo assim, o avanço do coronavírus no Brasil começa a preocupar os compradores estrangeiros. A China já recomendou às empresas de alimentos que aumentem os estoques de grãos e oleaginosas. Uma das principais questões levantadas pelos chineses, segundo a agência Reuters, é como o avanço da pandemia no Brasil poderá prejudicar o envio de produtos como carne, soja e outros grãos.

Os países da Ásia são os principais clientes do Brasil. Com uma população superior a 1,4 bilhão de pessoas, China, Hong Kong e Macau compraram de fevereiro a abril o equivalente a US$ 17,734 bilhões em mercadorias brasileiras, a maior parte do setor agrícola. De cada US$ 100 em vendas feitas pelo País, um terço (US$ 33,57) foi para a região.

Além da forte demanda dos países asiáticos, consumidores de alimentos, o agronegócio é favorecido pelo câmbio. A pandemia do novo coronavírus e a crise política que atinge o governo de Jair Bolsonaro fizeram o dólar disparar nos últimos meses em relação ao real. Na quinta-feira, 21, a moeda americana à vista encerrou a sessão cotada a R$ 5,5818. A alta acumulada em 2020 é de 39%. Para as companhias do agronegócio, isso significa mais reais no caixa para cada dólar de exportação.

Esse cenário faz o setor aparecer como uma espécie de ilha de bonança no Brasil, em meio à derrocada econômica na pandemia. Dados do relatório Focus, do Banco Central, mostram que os economistas do mercado financeiro projetam atualmente retração de 5,12% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. Enquanto o PIB de serviços, fortemente afetado pelo isolamento social, deve despencar 4%, o PIB da agropecuária pode subir 2,48%, conforme as projeções dos economistas.

É possível que a queda do PIB no Brasil seja menor por conta do PIB agrícola, comenta a economista Vitoria Saddi, professora do Insper em São Paulo. Com a experiência de ter atuado em instituições internacionais como JP Morgan e Citibank, Saddi acredita que o comércio global após a pandemia poderá trazer oportunidades ao Brasil.

Em momentos de crise profunda, como foi a da década de 1870 nos EUA (o Pânico de 1873) ou a Grande Depressão (iniciada em 1929), o mundo tende a se fechar, alerta a economista. É quase como um subproduto da crise o fechamento do comércio no mundo.

Ainda assim, países com grande população a ser alimentada, como a China, precisarão continuar a acessar as cadeias globais de comércio. Tendo a pensar que talvez os países venham a reprimir e impor sanções à China, afirma Saddi. Isso seria uma oportunidade para os produtos brasileiros.

Guerra comercial
Desde antes da covid-19, Estados Unidos e China vinham protagonizando episódios de guerra comercial, na esteira de uma política mais protecionista adotada pelo presidente norte-americano, Donald Trump. Nas últimas semanas, Trump elevou o tom das críticas contra a China e passou a culpar o país asiático pela pandemia.

No Brasil, esse cenário tem sido discutido pelo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Em comentários públicos, ele vem pontuando que, após a pandemia, o comércio global poderá passar por mudanças, não necessariamente positivas.

Na última quarta-feira, 20, porém, Campos Neto lembrou que o setor agrícola brasileiro se tornou uma potência ao longo dos anos. No resto, ficamos para trás dos países que se inseriram na cadeia de comércio, afirmou, durante evento ligado ao setor de infraestrutura.

Fonte: Estadão

Susep abre nova consulta sobre regras prudenciais

O Valor Econômico destaca que a Superintendência de Seguros Privados (Susep) dará início a uma nova fase do processo de segmentação do setor, de acordo com o porte e perfil de risco de cada instituição. Depois de realizar uma consulta pública em fevereiro para receber sugestões sobre os parâmetros de categorização, esta semana a autarquia voltará a ouvir o mercado sobre a aplicação proporcional das regras prudenciais. Assim quanto maior o porte e complexidade, mais informações a entidade deverá apresentar ao regulador, e de forma mais frequente.

Apesar de serem duas regras diferentes, elas se complementam e devem ser editadas conjuntamente em cerca de dois meses, disse ao Valor o diretor da Susep, Vinicius Brandi. A nova consulta pública terá duração de 30 dias.

A segmentação proposta pela superintendência visa implementar quatro grupos S1, S2, S3 e S4, conforme o porte de cada instituição. A segmentação está em linha com o que já determina o Banco Central e outros reguladores internacionais de seguros. Feito isso, o objetivo é aplicar o princípio da proporcionalidade às regras prudenciais, de acordo com cada categoria.

Temos que aplicar regras que sejam proporcionais às características das entidades, sem impor um excesso de regulação, um excesso de burocracia, afirmou Vinicius Brandi, referindo-se aos chamados custos de observância. A proposta é que sejam reduzidos vários procedimentos, como a frequência de envio de informações para a Susep. Para os segmentos menores estamos promovendo uma flexibilização ainda maior, alinhada com nosso modelo de supervisão, completou ele.

A minuta sugere, por exemplo, que o envio das demonstrações financeiras intermediárias, relativas ao primeiro semestre de cada ano, seja obrigatório apenas para os segmentos S1 e S2, ou seja, para as instituições de maior porte. O efeito será permitir que instituições menores sejam capazes de concorrer com instituições maiores e aumentar a concorrência no setor e a cobertura de seguros no país. As mudanças trarão maior eficiência também para o regulador, de acordo com o diretor.

Não adianta receber um número de informações e não conseguirmos processar. Tem um ganho na nossa operação, disse Vinicius Brandi. Outro ponto da consulta pública é a proposta de redução do capital-base para supervisionadas de menor porte e complexidade, que ficaria entre R$ 3,6 milhões e R$ 8,1 milhões, de acordo com o segmento de cada organização.

Atualmente, o capital mínimo exigido é de R$ 15 milhões. Isso se aplicaria às entidades que integrarão os segmentos S3 e S4, que podem ser a porta de entrada no mercado para instituições que participarem do sandbox regulatório, que exige capital mínimo de R$ 1 milhão. Com isso, a Susep quer atrair novos participantes, caso de empresas menores que podem ter alguma atuação específica e podem levar inovação para o mercado segurador, na visão de Vinicius Brandi.

Poderemos reduzir barreiras à entrada e permitir que mais empreendedores acessem o mercado de seguros. Daqui para frente todo o processo de revisão e elaboração de normas será aderente a essa classificação de segmentação, tornando a regulação mais simplificada e menos burocratizada, afirmou.

Responsabilidade civil e seguro

Por Antonio Penteado Mendonça, no Estadão

Imagine um enorme navio carregado com milhares de toneladas de minério de ferro ou um superpetroleiro naufragando no litoral brasileiro, próximo de praias com intensa dependência do turismo e variada flora e fauna marinha.

É claro, o naufrágio aconteceria em capítulos, como uma novela, com a emoção subindo na medida que as tentativas de resgate da embarcação e da contenção do vazamento da carga para o mar vão se sucedendo e dando errado. O navio faz que vai, mas não vai, se estabiliza, aderna, estabiliza de novo, o mar engrossa e ele volta a adernar, a proa afunda, conseguem estabilizar, até que, afinal, depois de vários dias de luta, os encarregados encerram a missão, enquanto a enorme embarcação quebra no meio e afunda, liberando milhares de toneladas de material poluidor, que se espalhará por centenas de milhas em volta, atingindo a vida marinha, destruindo delicados ecossistemas, tomando as praias na maré alta, para ficar depois depositado na areia, como as manchas no pelo de um cachorro dálmata.

A carga pertence a uma determinada companhia, foi exportada por outra e uma terceira é a proprietária do navio. Se o acidente envolvesse uma relação de consumo, as três, em conjunto ou separadamente, poderiam ser acionadas para indenizar os prejuízos. E é aqui que surge a primeira dificuldade para tipificar os fatos: a operação inteira e o acidente poderiam ser entendidos como uma relação de consumo? Se sim, com que base? Se não, quais as outras consequências e responsabilizações?

O acidente tem data e hora, as causas estão identificadas, os danos são indiscutíveis, sua origem é clara e insofismável e os envolvidos têm endereço certo e sabido. E agora, qual o próximo passo?

Com certeza haveria um longo processo para a identificação exata dos danos e dimensionamento dos prejuízos ambientais. O que foi atingido, em que área, quais as ameaças à flora e à fauna? Quais os danos ao fundo do mar, ao litoral, às praias e costeiras? Quais os prejuízos, separadamente, ao meio ambiente e à atividade econômica? Qual o prejuízo total?

Se tomarmos os exemplos do naufrágio do petroleiro Exxon Valdez e da plataforma de petróleo da BP no Golfo do México, estaremos falando de dezenas de bilhões de dólares entre salvamento, limpeza, prejuízos ambientais e multas. Além deles, temos os prejuízos decorrentes da interrupção ou redução das atividades humanas em função do acidente, que também devem atingir valores significativos.

O fato direto causador do dano é o naufrágio e, em princípio, com base nisto, a responsabilidade pelos danos seria da operadora do navio. Mas será que o naufrágio é o ponto zero, de onde se originam as demais responsabilidades envolvidas? Será que o começo de tudo não seria o interesse da proprietária da carga (minério ou petróleo) exportar seu produto?

Não foi ela que iniciou a operação, contratando empresa de sua confiança para fazer a exportação? Não foi essa relação que resultou na contratação do navio para transportar a carga até o porto de destino?

Sob esta ótica, não há como se pretender transferir a responsabilidade integral pelos danos ao operador do navio porque eles são decorrentes do naufrágio. Antes disto, os danos aconteceram porque o proprietário da carga embarcada decidiu exportá-la. Se não houvesse a exportação não haveria a contratação da firma exportadora, nem a contratação da firma de navegação, nem o transporte e, consequentemente, o navio não naufragaria e não haveria a poluição gerada pelo derrame da carga, com todos os prejuízos daí resultantes.

Se aplicássemos as regras do seguro para cargas perigosas, a responsabilidade do dono da carga seria automaticamente reconhecida. Afinal, é ele quem contrata este tipo de apólice. E ele só o faz porque, legalmente, ele é o responsável pelos prejuízos decorrentes de um acidente envolvendo os produtos de sua propriedade.

No caso do naufrágio, não seria muito diferente. O proprietário da carga seria certamente responsabilizado pelos prejuízos causados pelo acidente e sua apólice de responsabilidade civil poderia ser acionada para que sua seguradora assumisse as perdas, nos limites do contrato.

Alta de preços pressiona redes de saúde e ameaça ações contra covid no país

O UOL relata que hospitais e secretarias de Saúde relatam inflação de até quase 2.000% em produtos, fato que tem causado problemas em unidades públicas e privadas de saúde, que temem uma redução na capacidade de atendimento a pacientes.

Um dos problemas enfrentados é que, além de mais caros, produtos como os EPIs (equipamentos de proteção individual) precisam ser comprados em maior quantidade, visto o alto grau de contaminação do novo coronavírus.

A escalada nos preços está pressionando estados e municípios, que acabam gastando mais do que o orçamento previsto para a Saúde.

Precisamos fazer uma escolha dura: ou aguardamos por preços menores, mas aí deixamos de ter o serviço ou o bem à disposição; ou pagamos o que o mercado pede no momento. É uma escolha bem complicada, e estamos tentando ao máximo ter transparência e seguir recomendações dos órgãos de controle. Mas a procura por esses itens está sendo muito maior, e o mercado está praticando sobrepreço, afirma Januário Cunha Neto, presidente do Cosems (Conselho de Secretários Municipais de Saúde) do Amazonas.

Nos estados a situação é a mesma. Lamentavelmente tivemos uma escalada de preços nessa pandemia. Isso se explica, de certa forma, pela grande demanda e por restrição da oferta, comenta o secretário de Saúde de Pernambuco, André Longo.

Ele aponta uma questão mundial: a concentração da produção de insumos para a Saúde em um único país. Uma coisa que precisaremos rever depois dessa pandemia é a dependência em relação à China. Não se pode deixar insumos essenciais na mão de uma única potência econômica.

Longo menciona, por exemplo, a elevação de preços de produtos indispensáveis, como as máscaras N-95. Esse é dos artigos mais essenciais e custava em torno de R$ 3. Hoje, a gente tem encontrado a R$ 19 para fazer a compra. Outros insumos têm valores muito acima, cinco, seis vezes mais, e muitas vezes a gente precisa fazer importação, acrescenta o secretário de Pernambuco.

Hospitais privados A situação é semelhante para os hospitais privados, informam representantes do setor.

Em fevereiro deste ano, comprávamos máscaras cirúrgicas a R$ 0,24, e agora compramos com preço próximo de R$ 5, afirma Severino Moura, superintendente de Assistência e Suprimentos da Santa Casa de Maceió.

Não teve outro jeito: ou pagávamos o preço absurdo, ou deixaríamos os colaboradores sem proteção adequada. No caso de luvas, tivemos um aumento de custos seis vezes maior do que tínhamos em dezembro do ano passado, completa.

Segundo Moura, além dos preços altos, há dificuldades para encontrar os materiais e medicamentos mais utilizados. Fizemos uma grande compra no final do mês de março via importação, para conseguir evitar esse aumento de preços absurdos. Mesmo assim, são preços maiores que os praticados antes da pandemia.

De acordo com Alexandre Pessurno, diretor administrativo e financeiro do Hospital Nossa Senhora Aparecida, de Petrópolis (RJ), o aumento também atingiu medicamentos essenciais para os hospitais. Para você ter uma ideia, comprávamos o medicamento omeprazol de frascos a R$ 6,02. Recebi a tabela do meu representante e está a R$ 32,65, relata.

Diante do atual cenário, ele afirma que prevê problemas a médio prazo para manutenção das unidades. Os hospitais não estão mais comportando esses reajustes, principalmente os que são direcionados ao sistema público de saúde. É o nosso caso aqui, que tem 100% do atendimento voltado para o SUS, explica Pessurno.

A tabela SUS é quem define os valores pagos pelo poder público por um procedimento ou serviço. Para um paciente de clínica médica, hoje a tabela SUS nos remunera em R$ 56 por dia. E eu tenho que dar o café da manhã, o almoço, o café da tarde, o jantar, uma ceia noturna. Tenho que manter os profissionais, pagar conta de água, de luz, os medicamentos, materiais e outros. Está chegando a um momento em que os serviços vão paralisar. Vai entrar em colapso, ainda mais com essa situação agora da covid-19, lamenta o diretor administrativo e financeiro do hospital localizado em Petrópolis (RJ).

Cinco Estados à beira do colapso

O Estadão informa que pelo menos cinco Estados lutam contra UTIs lotadas, baixo isolamento social e números crescentes de mortalidade. Na Grande São Paulo, duramente atingida pela doença, 13 hospitais não recebem mais ninguém e 91,8% das vagas em UTIs estão ocupadas. E o rápido avanço da pandemia rumo ao interior do Estado preocupa as autoridades.

No Rio, que está sem os hospitais de campanha prometidos, há centenas nas filas de espera por uma vaga na UTI, enquanto em Pernambuco, diante do colapso dos hospitais, Unidades de Pronto-atendimento, destinadas a casos de menor complexidade, atendem pessoas em estágio avançado de insuficiência respiratória. Na Região Norte, Amazonas ainda espera o pico da doença para os próximos dias e no Pará um sistema de atendimento confuso causa mortes e provoca revolta.

A região metropolitana de São Paulo já tem 13 hospitais lotados e que não recebem mais pacientes. A taxa de ocupação dos leitos em UTIs está ao redor de 91%. Mas é o aumento de casos no interior do Estado o que mais preocupa as autoridades de saúde no momento: a covid19 chegou na sexta a 500 município do Estado (que tem 645 cidades), e a taxa de crescimento no interior é quase quatro vezes maior do que na capital.

Na cidade de São Paulo, coração da doença, se em março a abertura de novos leitos foi feita às centenas, agora o conserto de 12 respiradores é comemorado, uma vez que dá sobrevida a um sistema perto do limite.

São Paulo briga para manter ao menos metade dos habitantes em casa e só conseguiu alcançar taxa de isolamento social acima de 50% durante a semana passada por causa do feriadão. A cidade não parou porque conseguiu ativar leitos próprios antes da crise, montou quatro hospitais de campanha, alugou espaço na rede privada e passou a gerenciar na ponta do lápis cada vaga disponível, de modo a saber o total de leitos livres em cada hospital para transferir pacientes. O modelo permitiu que ninguém morresse por falta de atendimento, segundo o governo, mas obriga parentes a fazerem deslocamentos cada vez maiores atrás de notícias de seus familiares.

Todos os dias, a cabeleireira Débora Ferreira, de 47 anos, percorre de carro 29 quilômetros entre o Jardim Santa Margarida, no Jardim Ângela, zona sul, e o Hospital Municipal Dr. Ignácio Proença de Gouvêa, na Mooca, zona leste, onde o marido, de 53 anos, está internado. “Ele foi para o (Hospital de Campanha do) Anhembi e depois veio para cá. Foi transferido porque precisou ser entubado. Falaram que foi onde conseguiram vaga, diz Débora, que acompanhava à distância o oitavo dia de internação do marido.

Mesmo assim, pode haver demora para conseguir a vaga. O vendedor Wellington Rodrigues dos Santos, de 31 anos, levou seu pai no dia 10 para o PS da Mooca. Ele foi medicado e aconselhado a voltar para casa. Três dias depois, piorou e voltou ao centro médico. Aí eles internaram, conta o rapaz. O pai passou a receber oxigênio, e o filho foi informado que ele precisava ir para a UTI. “Foi transferido só dois dias depois.

O secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, diz que a Prefeitura passou a estudar a necessidade de contratar leitos de média complexidade em hospitais da rede privada. Já há mais de 300 de UTI particulares usados por pacientes da rede pública. Estamos avaliando a necessidade e os custos.

Essa medida se soma à instalação de mais 20 respiradores vindos do governo Federal, a 12 respiradores próprios consertados e a equipamentos que ainda devem chegar do governo do Estado. São ações que fazem o governo avaliar que será possível chegar ao término da pandemia antes de entrar em colapso.

Esse aperto que tivemos neste mês e ainda estamos tendo, talvez a gente consiga superar, disse ao Estadão. A cidade tem cerca de 600 leitos de UTI ativos, e cerca de mil respiradores ao todo, informa o secretário.

As transferências mais longas de pacientes, da Grande São Paulo para o interior, eram apontadas como uma saída para a eventual falta de vagas no Estado. Agora, o foco do Centro de Contingência do Coronavírus é justamente o interior.

Das cerca de 5.300 vagas de internação em UTI disponíveis no Estado, mais de 4.400 já estão ocupadas. Todas as regiões do Estado têm aceleração maior do que a região metropolitana nesse momento, diz o secretário de Desenvolvimento Regional do Estado, Marco Vinholi. O ritmo de crescimento de óbitos no Estado em seis regiões já é maior do que na região metropolitana. Ocorre que o total de leitos de internação no interior é menor. Na região de Presidente Prudente, por exemplo, entre 30 de abril e a segunda-feira passada, houve aumento de 395% no número de casos, de 61 para 302. A região tem 36 leitos públicos de UTI, com previsão de aumento de mais dez.

Vinholi ressalta que o isolamento adotado no início da pandemia foi o que segurou a explosão de casos no interior. Garante que não haverá colapso. São Paulo fez a lição com isolamento no momento certo, o que possibilita que o sistema público de saúde não entre em colapso.

Só 1 de 3 doentes graves com covid sobrevive no País

O Estadão acrescenta penas um em cada três pacientes graves de covid-19 que são entubados nas UTIs brasileiras se recupera e consegue voltar para casa. A mortalidade desses doentes é de 66%, um número muito alto quando comparado aos internacionais. Segundo especialistas, o porcentual reflete as precariedades do sistema de saúde do País e, eventualmente, o uso indiscriminado de medicamentos sem benefícios comprovados cientificamente, como a cloroquina.

A conclusão é de um levantamento do Projeto UTIs Brasileiras, da Associação de Medicina Intensiva Brasileira (Amib) e do Epimed, uma ferramenta de análise de dados e desempenho hospitalar. A coleta de informações foi feita entre os dias 1.º de março e 15 de maio em 450 hospitais em todo o Brasil, envolvendo 13.600 leitos de terapia intensiva, o que equivale a cerca de um terço das vagas para adultos nessas unidades.

Os pacientes mais graves são aqueles que estão internados em uma unidade de terapia intensiva e demandam apoio de ventilação mecânica para continuar respirando. Por isso, a mortalidade desses doentes é forçosamente alta em qualquer lugar do mundo. No Reino Unido, por exemplo, é de 42%, e, na Holanda, chega a 44%. Um outro estudo, restrito à cidade de Nova York, revelou um porcentual ainda mais alto, de 88%.

A mortalidade geral na UTI é de 21%, entretanto, entre a população de pacientes mais graves, chega a 66%, compara o coordenador do Projeto UTIs Brasileiras, o médico intensivista Ederlon Rezende. Ou seja, de cada três pacientes que vão para a ventilação mecânica, apenas um sobrevive. Essa doença não é uma gripezinha.

O também médico intensivista Jorge Salluh, pesquisador do IDOR e fundador da Epimed Solutions, concorda com o colega e especula sobre as razões da mortalidade tão alta. Este porcentual é muito alto para qualquer doença, qualquer estatística, é um número assustador, diz. Eu não tenho esses dados, é uma inferência, mas o que parece é que estamos esquecendo de medidas de prevenção adotadas nas UTIs. O uso de tratamentos experimentais, como a cloroquina e outras substâncias, todas igualmente com poucas evidências, podem ser um fator. Intervenções farmacológicas não comprovadas aumentam o risco de morte por efeitos colaterais, comenta.

Os dados das UTIs são levantados a partir de questionários respondidos diariamente sobre os pacientes (como sexo e idade) e os procedimentos adotados. Os medicamentos ministrados não constam do levantamento. Pessoalmente, acho que o uso da hidroxicloroquina tem prejudicado nossos pacientes, principalmente aqueles que evoluem com a forma grave da doença e vão para as UTIs, afirmou Rezende. Mas estes dados não nos permitem afirmar isto, completa.

A infectologista da Unicamp Raquel Stucchi tem opinião semelhante. Pelos estudos com pacientes graves já publicados, sabemos que a cloroquina aumenta o risco de efeitos adversos e morte. Mas não dá para inferir isso para o Brasil enquanto não soubermos quem usou e quem não usou a droga.

Curiosamente, essa mortalidade é similar nas unidades privadas (65%) e públicas (69%). Uma das razões pode vir do próprio perfil do universo pesquisado. Foram 322 hospitais privados e 128 públicos. Os especialistas, no entanto, levantam outras hipóteses. Em geral, os pacientes dos hospitais privados são menos graves que os dos públicos; como a rede privada tem mais leitos disponíveis, ela é mais flexível no critério de admissão em UTIs, explica Rezende. Mas quando olhamos a mortalidade de um subgrupo muito específico, essa comparação é mais correta e vemos que a mortalidade é parecida.

Os especialistas lembram que os hospitais que participam do levantamento tendem a ser os mais bem organizados, o que pode levar a um retrato mais otimista da realidade. Temos de olhar para esses dados com a ideia de que sejam melhores do que o do nosso mundo cão, em hospitais que não estão organizados e já apresentam o sistema colapsado, diz o especialista.

Um outro dado que chamou a atenção dos pesquisadores foi a faixa etária dos pacientes de covid-19 internados em UTIs. Quarenta e um por cento têm menos de 65 anos. O porcentual é ainda mais alto (51%) entre os internados por síndrome respiratória de caráter infeccioso, condição que pode indicar casos não diagnosticados de coronavírus. Definitivamente, esta não é uma doença de velhinhos, afirmou Rezende.

A grande maioria dos internados em UTIs com covid-19 (71%) ou síndrome respiratória (75%) apresenta alguma comorbidade, como problemas cardíacos, diabetes e obesidade. Ainda assim, é bom ressaltar que cerca de 30% não tinham nada, lembrou o coordenador do levantamento. Ou seja, a doença pode afetar qualquer pessoa.

Outro dado confirmado pelo levantamento é que o tempo de permanência nas UTIs por covid-19 é bem acima da média de outras condições, chegando a dez dias. As internações são mais longas do que a média na terapia intensiva, que é de seis a oito dias, explicou Salluh. Além de serem muitos pacientes em situações muito graves, eles ficam muito tempo na UTI e o giro de leito fica bastante restrito.

A taxa de ocupação das UTIs revelada por esse levantamento já é alta: 88% na rede pública e 74% na rede privada. No entanto, os especialistas acham que estes números já estão subestimados. O nosso levantamento começou no início da epidemia; tem aí um momento bom, afirmou Rezende. Hoje, os porcentuais já estão acima disso, com o sistema já colapsado. Provavelmente os próximos 30 dias serão mais difíceis.

REVISTA INSURANCE CORP

Acesse a versão virtual da edição 29 da revista: https://www.dropbox.com/s/ebr9cbomotpjzz8/IC%20ed29%20%28baixa%29.pdf?dl=0

EVENTO: FETRANSPORTE BRASIL CONFERENCE 2020

Não fique de fora, garanta agora a sua vaga no primeiro evento online sobre seguro de transporte de cargas do brasil, da Fetransporte Brasil Assessoria de Seguros com parceria da Guep.

O evento online vai acontecer nos dias 2, 3 e 4 de junho, com mais de 20h de conteúdo sobre o mercado de seguros de transportes de cargas e logística.

Evento online, 100% gratuito para ajudar você e o seu negócio a prosperar ainda mais. Vamos juntos aprender, criar estratégias e se conhecer!

Serão 3 dias de conteúdo das 9 às 18h com a participação de 35 grandes nomes do mercado segurador.

Acesse o link e antecipe sua inscrição: https://conference.fetransportebrasil.com.br/inscricao/?utm_campaign=convite_2_fetransporte_brasil_conference_2020&utm_medium=email&utm_source=RD+Station   

WEBINAR: SEGURANÇA EXPONENCIAL

O novo perfil do Profissional de Segurança

Dia: 28.05.2020 / Live às 10h30

Inscreva-se: https://event.webinarjam.com/register/7/w8or4fv  

Curso On Line: Transformação Digital Em Gestão De Riscos

Breve teremos novidades: www.portaldagestaoderiscos.com

 

Maiores informações com: Ana Sanchez Panico e-mail: anasanchezpanico@goconnecting.com.br / Fone: (19) 99739.2228