Notícias



13/08/2019
Autor: SONHO SEGURO & ESTADÃO & VALOR ECONÔMICO & DC
PERDAS NO MERCADO SEGURADOR NO 1º SEMESTRE

Perdas de US$ 42 bi, sendo US$ 15 bi indenizadas por seguro, com desastres naturais no 1o. semestre

Um total de 370 eventos de perda geraram perdas totais de US$ 42 bilhões, que, após o ajuste da inflação, são inferiores à média de US$ 69 bilhões em 30 anos, segundo estudo divulgado pela resseguradora https://www.munichre.com/en/media-relations/publications/press-releases/2019/2019-07-30-press-release/index.html. No entanto, as perdas das enchentes no sudeste da China, que começaram em junho e causaram prejuízos de bilhões de dólares, não estão incluídas nesta cifra. O Brasil aparece no quadro das fatalidades.

As perdas seguradas chegaram a US$ 15 bilhões, abaixo da média de longo prazo de US$ 18 bilhões. Para muitos eventos, a parcela segurada da perda econômica global foi extremamente pequena devido à baixa penetração de seguro em muitos dos países afetados.


Cerca de 4.200 pessoas perderam a vida em desastres naturais. Este valor é semelhante ao do ano anterior (aproximadamente 4.300). Mas pelo menos a tendência para menos baixas continuou, graças a medidas de proteção mais eficazes: a média de 30 anos para o mesmo semestre é de mais de 27.000 mortes.

O desastre mais mortal em todo o mundo até o final de junho foi o ciclone Idai, que varreu Moçambique, Malaui, Zimbábue e África do Sul de 9 a 14 de março. Mais de 1.000 pessoas foram mortas. Em maio, tempestades com tornados no Meio-Oeste dos EUA produziram as maiores perdas, com US$ 3,3 bilhões. A parte segurada chegou a cerca de US $ 2,5 bilhões.

Uma característica marcante das estatísticas para o primeiro semestre de 2019 é a alta proporção de perdas que afetam os países mais pobres. Três dos cinco desastres mais onerosos afetaram países emergentes e em desenvolvimento. Isso incluiu um desastre de inundação no Irã (perdas totais de US$ 2,5 bilhões) e as perdas por tempestades e enchentes do ciclone Fani na Índia e em Bangladesh em maio (US$ 2,2 bilhões).

Moçambique, um dos países mais pobres do mundo, foi particularmente atingido. Em março, o ciclone Idai atingiu a costa perto do porto da Beira (500.000 habitantes). Com velocidades de vento de aproximadamente 170 km/h, a tempestade destruiu um grande número de casas e edifícios, a maioria dos quais eram estruturas bastante simples. Além disso, em combinação com as fortes chuvas, a onda de inundação provocada pela tempestade provocou inundações sobre o terreno plano que se estendia para o interior.

As perdas totais em Moçambique e nos países vizinhos atingiram aproximadamente US$ 2 bilhões. A perda em Moçambique é equivalente a cerca de um décimo do PIB do país – um enorme fardo. Como comparação: o terremoto de Tohoku no Japão em 2011 causou perdas diretas de US$ 210 bilhões, correspondendo a aproximadamente 3,4% do PIB do Japão. Apenas algumas semanas mais tarde, Moçambique foi novamente atingido por outro ciclone, desta vez o ciclone Kenneth, que chegou ao norte em uma área menos povoada. As perdas totalizaram cerca de US$ 230 milhões.

Ernst Rauch, Chefe de Clima e Geocientista da Munich Re, disse: “No Caribe, por exemplo, as soluções de seguro em cooperação com governos e bancos de desenvolvimento puderam fornecer assistência financeira antes que os programas de ajuda internacional pudessem decolar. Uma solução semelhante também faria sentido para Moçambique. Mas é absolutamente essencial tomar medidas preventivas mais eficazes nos países industrializados também. Estamos trabalhando sistematicamente no aprimoramento de nossas ferramentas de análise, para que possamos avaliar os riscos com mais precisão e, então, desenvolver novas soluções que nos permitam assumir riscos ”.

Nos EUA, uma série de tempestades severas na primavera causou altas perdas. A temporada de tornados foi consideravelmente mais ativa do que o habitual, particularmente em maio: de acordo com a NOAA, o serviço meteorológico dos EUA, mais de 1.200 tornados foram contados até o final de junho. Isso é aproximadamente um quinto a mais que a média de 2005-2015 para o mesmo semestre. Apesar de uma temporada de tornados muito ativa, as perdas decorrentes de uma série de fortes tempestades convectivas durante os primeiros seis meses de 2019 atingiram quase US$ 7,5 bilhões, bem abaixo da média de US$ 10 bilhões na última década.

Uma combinação de altas temperaturas com uma intensa onda de calor nos últimos dez dias do mês e fortes tempestades com chuvas de granizo violentas produziram pesadas perdas na Europa em junho. Além de ser muito seco, o mês foi o mês mais quente da Alemanha desde o início dos registros. A seca significa que as colheitas ruins são prováveis ​​em partes do setor agrícola europeu, desde que houve crescimento restrito para certos tipos de grão, como também para batatas e milho em várias regiões.

No topo do calor, houve fortes tempestades e chuvas de granizo, por exemplo, na segunda-feira de Pentecostes (10 de junho) na Alemanha e nos países vizinhos. A maior área de Munique foi particularmente afetada, experimentando granizo de até 6 centímetros de diâmetro. De acordo com a Associação Alemã de Seguradoras (GDV), mais de 100.000 reclamações foram registradas por danos em veículos e edifícios, respectivamente. A perda global em toda a Europa chegou a mais de € 900 milhões, dos quais mais de 75% estavam segurados devido à alta densidade de seguro para granizo. Quase todas essas perdas foram sustentadas na Alemanha.

No início de julho, ocorreram outras grandes chuvas de granizo na costa do Adriático, na Itália e na Grécia, com granizos que eram tão grandes quanto laranjas em alguns casos. Estimativas de perdas confiáveis ​​ainda não estão disponíveis.

Ernst Rauch comentou o seguinte: “Vários estudos científicos indicam que as ondas de calor estão aumentando devido às mudanças climáticas e também as tempestades de granizo, de acordo com os estudos mais recentes. Tendo em vista os potenciais de perda e o aumento dos ativos expostos, é muito importante que as seguradoras estejam cientes dessas mudanças. De qualquer forma, medidas para reduzir a vulnerabilidade às perdas fazem sentido porque devemos supor que essa tendência continuará nos próximos anos e décadas ”.

A região Ásia/Pacífico foi afetada por um grande número de desastres naturais nos primeiros seis meses do ano. As perdas totais totalizaram US $ 16 bilhões, metade da média de longo prazo (US$ 33 bilhões). O desastre mais caro para as seguradoras foi uma inundação severa em Queensland, no nordeste da Austrália, que produziu prejuízos totais de quase US$ 2 bilhões, dos quais quase US$ 1 bilhão foram segurados. Na região perto de Townsville, um grande número de edifícios foram inundados após fortes chuvas no final de um período particularmente quente. O rio Flinders, mais a oeste, rompeu suas margens e se expandiu para uma largura de mais de 35 milhas (60 quilômetros). Centenas de milhares de bovinos pereceram – uma grande perda para o setor agrícola.