Nenhuma informação no momento

Culturas tóxicas, conselheiros nada independentes, acionistas apáticos: má governança segue firme no Brasil

01, Abr. 2024

Por Rodrigo Amaral - Fonte: Risco Seguro Brasil 

Dez anos atrás, o lançamento da Operação Lava Jato deu início a um processo de autocrítica entre as empresas ao tornar claro que a governança corporativa ainda deixava muito a desejar no Brasil.

Desde então, tem se falado sem parar em temas como a criação de áreas de compliance, reforço de controles internos, direitos de acionistas minoritários e o crescente papel dos conselheiros independentes – sintomas dos esforços feitos pelo mundo corporativo para aumentar a confiança em suas políticas de governança.

Isso não evitou que, nos últimos anos, pipocassem escândalos contábeis como o das Lojas Americanas, desastres ambientais derivados de falhas de gestão de riscos como os de Brumadinho, Mariana e Maceió, processos de recuperação judicial contestados como as da Oi e da Gol e muitos outros casos de má governança entre as empresas brasileiras.

Não é nem preciso rebuscar os arquivos dos jornais para encontrar exemplos de problemas de governança. Basta acompanhar as quedas dos valores das ações da Vale e da Petrobrás ocorridas recentemente, em grande parte como resultado de tentativas de intervenção do governo federal na gestão das duas empresas.


Mesmo o mercado de seguros, tão regulado e cauteloso por natureza, foi palco de um escândalo contábil e bursátil em 2020 envolvendo o IRB Brasil, um dos mais importantes players do setor. Nos últimos anos, a empresa teve que se reestruturar, moderar seu apetite de subscrição e até mudar de nome, para IRB(Re), a fim de dar uma polida em sua imagem.
A má governança corporativa prejudica acionistas, clientes, trabalhadores e comunidades, e também pode colocar em xeque a própria existência da empresa.
Por isso, trata-se de uma das principais ameaças enfrentadas pelas corporações e precisa estar no radar dos gestores de riscos – ainda que não sejam muitos os que, neste momento, contam com a possibilidade de dar um grito de alarme quando necessário.
A RSB conversou com alguns dos mais reconhecidos especialistas em governança corporativa do Brasil para o quanto se avançou no tema nos últimos anos. A conclusão geral é de que algo melhorou, mas ainda há muito o que fazer, e a situação continua em grande medida bastante espinhosa.

Acionistas poderosos demais

Diferentemente dos Estados Unidos, onde muitas empresas têm seu controle acionário disperso entre vários investidores, no Brasil prevalece um modelo em que uma família ou investidor possui um peso no capital votante muito maior do que o de outros acionistas.


Coelho ressalta que tal concentração não é necessariamente ruim: um acionista controlador com uma clara visão estratégica é visto com bons olhos por investidores porque ajuda a dar uma direção positiva a suas empresas.

-------------------------------------------------

RISKWORLD SAN DIEGO 2024 - Associados Mantenedores interessados em fazer parte da Delegação ABGR  enviar e-mail para: abgr@abgr.com.br.